Sunday, April 15, 2007

Entre atos e quadros na galeria


01
Vou quadricular o vento pra ele se balançar na sua saia de formas geométricas. Vou enganar o tempo pra fazer um quadro cronológico da nossa história tétrica. Vou me (re)compor em poemas sem rima ou métrica. Vou te transformar em metáfora, em sopro de vento, em cartilha poética. Vou aprender a ler em você.

02
Leio seus sorrisos como quem admira o próprio reflexo no espelho. Leio de todos os lados (os quatro!), do alto de um cubo sem razão de ser.

O esquadro pesa na mão como pluma a medida que traço o ângulo entre o seu olhar e o meu. É difícil e eu desisto. Colo sua testa na minha e inclino um pouco a cabeça. Seu rosto subitamente assume a forma de uma pintura de Picasso. Te olho de cima a baixo, a procura de um espaço pra eu me enquadrar em você. "Vou te pintar", prometo num sussurro doce e você sorri pra mim. Enquadro seu sorriso na memória.

03
Foi tentando esquadrinhar o tempo que encontrei aquele velho quadro. Nele, seu sorriso em aquarela não passava de um quadrado branco. Merecia um réquiem, merecia qualquer coisa que eu não podia dar - uma resposta. Mas em resposta só consegui fazer o pincel chorar de um jeito maluco e inconsequente. E foi assim que te desfiz... Onde havia a curvatura invisível da boca contraída, sobrou a desfiguração dos seus dentes, da sua língua, da sua saliva. Os mesmos dentes que marcaram meu pescoço. A mesma língua que, qual cobra astuta, serpenteava. A mesma saliva que ainda habita minha boca.

Era tudo, portanto, muito anatômico e pouco realista. Onde estava o seu sorriso? Assassinado brutalmente com golpes de pincel. Sem piedade, sem caridade, sem a vaidade de vê-lo se abrir de novo. Era branco e o fiz vermelho-sangue. Era branco e o fiz cinzento e visceral. Era branco e o fiz qualquer coisa que não branco. Era brando. E as lágrimas coloridas do pincel expandiram-no pelo seu rosto, pelo seu pescoço, pelos seus cabelos... Era brando, mesmo que tivesse se vestido de arco-íris para morrer.

8 Comments:

Anonymous isa said...

que triste ._______.
Ei, a borracha existe? O branquinho?
Não era rascunho?
Não dá para substituir por folha nova?
Não dá para pintar por cima? De branco?
A tinta já secou? As lágrimas permitiram?
Está assim fadado?

Me lembrou muito uma parte de The Wall, do Pink Floyd, apesar de eu saber que não tem nada haver o-o'. Mas enfim!

A parte é essa: http://www.youtube.com/watch?v=RXr_pJXKQAY


Esperamos mais impulsos de dromomania :)

6:19 AM  
Blogger Araeliz said...

Entre métrica e rima, jaz uma poesia

9:45 PM  
Anonymous Wolf Teles said...

Foda isso irmã

5:12 PM  
Blogger Leandro Jardim said...

Uau! Menina, valeu a espera, hein?!

Quanto tempo! hehe, Saudades...

E você arquitetando essa belíssima poesia prosaica! Muito lindo, muito lírico, muito rico... sempre soube de sua mão cheia e ela sempre me surpeeende um sorriso no olhar!

beiJardins

4:34 AM  
Anonymous Anonymous said...

biografico não? mas tudo segue...

6:47 AM  
Blogger Saulo Magno Firmo Santos said...

This comment has been removed by the author.

8:35 PM  
Blogger Saulo Magno Firmo Santos said...

Belas palavras;

Parabéns.

Saulo Magno

8:37 PM  
Blogger bossa_velha said...

Lindíssimo. :)

2:59 PM  

Post a Comment

Links to this post:

Create a Link

<< Home